O espiritismo propõe a religião natural

O espiritismo propõe a religião natural

3 minutos Vamos demonstrar na obra Revolução Espírita uma proximidade muito importante entre os pensamentos do filósofo alemão Kant e as reflexões espíritas de Allan Kardec. Para Kant, que apresentou em sua obra Que significa orientar-se pelo pensamento o conceito de autonomia moral, a convicção da existência de Deus, que é a base do pensamento religioso, ao contrário de que pensa o senso comum, só “podem encontrar–se na razão; só dela promanam e não nos advêm nem por inspiração, nem ainda por uma notícia Continue lendo

A infância de Hippolyte Rivail ou Allan Kardec

A infância de Hippolyte Rivail ou Allan Kardec

2 minutos O Jovem Rivail passou sua infância e juventude na casa de sua avó materna, Charlotte Bochard, na cidade francesa de Bourg-en-Bresse, no departamento de Ain. Vinha de uma importante família, tendo sido o seu avô, o patriarca Benôit Marie Duhamel, préfet do departamento de Ain (cargo equivalente ao de governador de estado). A cidade de Bourg, no decorrer dos séculos, era um destino de viagem muito apreciado pelos franceses, e foi frequentada por reis, nobres, também por Napoleão Bonaparte, e muitas famílias Continue lendo

O que é preciso para SER espírita?

O que é preciso para SER espírita?

2 minutos Para ser espírita é preciso fazer parte de uma sociedade? Participar de reuniões periódicas? Ter-se formado em cursos de habilitação? Carregar um diploma? Vamos ver que nada disso é necessário para ser espírita, como explicou Allan Kardec. Uma característica importante da autonomia moral, base fundamental da teoria espírita, como pretendemos demonstrar na obra Revolução Espírita, está no fato de que, por sua própria definição, deve ser adquirida por um esforço racional a partir de uma iniciativa espontânea e desinteressada. Dessa forma, ninguém Continue lendo

Para QUEM serve o espiritismo

Para QUEM serve o espiritismo

3 minutos A teoria moral espírita original, que está fundamenta pelo conceito de autonomia moral, não é um conjunto de regras para ser seguido como crença cega. A grande maioria das igrejas e seus cleros pregam a obediência e submissão como condição para aquele que deseja ser salvo. O espiritismo, por sua vez, afirma que, para que se possa aproveitar dos ensinamentos dos espíritos é preciso ter um entendimento perfeito de suas ideais. Segundo Allan Kardec, “a fé cega já não é deste século, Continue lendo

A teoria e a revolução

A teoria e a revolução

2 minutos Pretendemos demonstrar na obra Revolução Espírita – a teoria esquecida de Allan Kardec que a doutrina dos espíritos defende e fundamenta uma revolucionária moralidade descoberta na era moderna, a autonomia moral ou o autogoverno. Durante milênios, as religiões tradicionais e seu clero sustentaram a moral como sinônimo de submissão a um deus que castiga e condena por toda a eternidade aqueles que ousam enfrentar suas ordens, perdoando e deixando todas as recompensas aos obedientes e submissos, quando chegasse o fim do mundo. Continue lendo

A revolução espírita

A revolução espírita

menos de 1 minuto Uma revolução nas ideias certamente produzir outra na ordem das coisas. É esta revolução que o Espiritismo prepara”, afirmou Allan Kardec. O que teria entusiasmado um intelectual francês do século 19 a reconhecer na teoria espírita o potencial de transformar o mundo? No entanto, esse entusiasmo não corresponde ao que hoje se divulga. Sejam opositores ou simpatizantes, adeptos ou divulgadores, todos desconhecem o verdadeiro espiritismo. A revolução espírita está esquecida. Depois de décadas de pesquisa em fontes primárias, documentos inéditos; Continue lendo